VAMPIROS DE CHICAGOLAND – 1° LIVRO – ALGUMAS GAROTAS MORDEM

DE:CHLOE NEILL

 

     “- Eu não dei a você permissão para me mudar.

     Ethan olhou fixamente para mim por um momento antes de virar sua cabeça. Ele andou, movendo-se com auto-confiança para a cadeira de couro atrás de sua escrivaninha. Apesar de todas as roupas sob medida e aparência impecável, seu poder era óbvio. Ele justamente assobiou com ele, e enquanto seus movimentos eram rápidos e elegantes, eles insinuavam algo mais escuro, algo ameaçador em baixo da superfície: um tubarão nadando enganosamente em círculos abaixo da água lisa.

     Ele arrastou papéis em sua escrivaninha, então cruzou suas pernas e olhou para mim com aqueles obscenos olhos esmeralda. – Francamente, isso não era o que eu esperava ouvir. Eu estava esperando algo parecido com “Obrigada, meu Liege, por salvar minha vida. Eu aprecio muito estar viva.”

     – Se me salvar tivesse realmente sido sua meta, você poderia ter me levado para um hospital. Um médico poderia ter me salvado. Você unilateralmente decidiu me fazer outra coisa.

      Ele juntou suas sobrancelhas. – Você acredita que o vampiro que te mordeu primeiro tinha a intenção de te deixar viver?

     – Eu não tive uma chance de perguntar a ele.

     – Não seja ingênua.

     Eu vi a conferência de imprensa sobre a morte de Jennifer Porter, sei sobre as semelhanças entre nossos ataques. Então, incapazes de discutir aquele ponto, eu fiz outro.

     – Minha vida nunca será a mesma.

    – Sim, Merit. – Ele disse, frustração em sua voz, – Sua vida, ‘humana’ nunca será a mesma. Foi, lamentavelmente, tirada de você. Mas nós a demos outra.

     – Devia ter sido “minha” decisão.

    – Eu estava com pouco tempo, Merit. E dado que você está completamente ciente da escolha que eu tive que fazer, esta atitude petulante é indigna de você.

     Eu não discordei, mas quem era ele para me dizer isso? Minha garganta constringiu com emoção. – Me desculpe por não ter me ajustado ao fato de que minha vida foi virada de cabeça para baixo. Desculpe-me por não reagir a isso com elegância.

     – Ou gratidão. – Ele murmurou, e eu me perguntei se ele sabia que tinha sido alto o suficiente para eu escutar. – Eu dei a você uma vida. E eu a fiz igual a mim. Como o resto de seus irmãos e irmãs. Nós somos tão monstros?

     Desejei que eu pudesse ter dito sim. Eu quis dizer sim, fingir horror. Mas uma lágrima correu pela minha bochecha, propulsada por alguma combinação de ira e culpa de que eu não era tão repelida por Ethan Sullivan como eu havia planejado. Eu enxuguei a lágrima com a parte de trás de minha mão.

    Ethan olhou para mim por muito tempo, e eu podia ler a decepção em seus olhos. Isso me aborreceu, aquela decepção, mais do que eu queria admitir.

     Ele tamborilou seus dedos na mesa, se inclinou. – Então talvez eu tenha cometido um engano. A Casa Cadogan tinha permissão para doze novos vampiros este ano, Merit. Isso faz você uma dessas doze da minha parte. Você pensa que você vale à pena? Você pensa que pode contribuir para Cadogan em suficiente proporção para compensar esse investimento? Trazer você para a Casa foi uma decisão melhor que salvar outra pessoa para quem eu poderia ter dado uma nova vida?

     Eu o encarei, o valor do dom que ele me deu, por mais que eu não quisesse ser um deles, tornou-se completamente compreendido.

     Eu deslizei na cadeira a minha frente.

     Ethan assentiu com a cabeça. – Eu pensei que poderia fazer isto. Agora, suas objeções por ter sido mudada foram devidamente anotadas. Então por agora, o que me diz de nós partimos? Eu não quero isto entre nós, ainda que você decida que eu sou seu inimigo mortal. – Ele ergueu as sobrancelhas em desafio. Eu não me aborreci em negar isto.

     Eu pausei, então perguntei – Devidamente anotadas?

    Ethan conscientemente sorriu. – Anotada e recitada na frente de uma testemunha. – Seu olhar flutuou para o canto do quarto, e ele olhou para Mallory com curiosidade. – Eu não conheci sua amiga.

     – Mallory Carmichael, minha companheira de casa.

     Mallory olhou por cima do espesso livro que ela estava lendo.

     – Eu.

     – E seu guarda costas, presumo. – Ele disse, levantando e caminhando para um bar situado entre as estantes de livros do lado esquerdo da sala. Despejou um licor âmbar em um vidro gordo e me observava acima da beira enquanto tomava seu conteúdo. – Eu conheci seu pai.

     – Eu sinto muito em ouvir isto.

     Ele segurou gentilmente o vidro em suas mãos. – Você não é próxima a sua família?

    – Meu pai e eu não nos damos bem. Nós temos diferentes prioridades. Ele está somente focado em construir seu reino financeiro.

     – Enquanto que a Merit não. – Mallory ofereceu do seu canto. – Ela é perfeitamente feliz sonhando com Lancelot e Tristan.

     – Lancelot e Tristan? – Ele perguntou.

    Constrangida com a implicação do amor adolescente, eu gaguejei – Eu… Estava trabalhando em minha dissertação. Antes.

     Ethan terminou sua bebida e pôs o vidro no bar, em seguida, recostou-se contra ele, de braços cruzados. – Entendo.

    – Honestamente, eu duvido que você o faça. Mas se você esperava que mudar-me o ajudaria a ter acesso ao dinheiro da “família de Merit”, você está sem sorte. Não tenho dinheiro e nem acesso a ele.

   Ethan pareceu momentaneamente surpreendido, e não encontrou meu olhar quando ele deixou o bar e se moveu para a mesa. Quando ele estava sentado novamente, ele me encarrou, não com raiva, eu pensei, mas com confusão. – E se eu te dissesse que eu poderia dar coisas a você? Isso aliviaria a sua transição?

     Através do quarto, Mallory gemeu.

     – Eu não sou meus pais.

   Eu era o destinatário de outro longo olhar, mas este sustentava um vislumbre de respeito. – Estou começando a ver isto.

    Finalmente achando meu fundamento – ele podia ser um vampiro, mas ele foi submetido a preconceitos humanos como todos os outros – eu relaxei de volta na cadeira, cruzando minhas pernas e braços, e arqueando uma sobrancelha para ele.

     – Isso que você pensou? Que eu veria o Armani e o endereço Hyde Park, e estaria tão excitada que esqueceria que eu não consenti?

   – Talvez nós dois tenhamos julgado mal a situação. – Ele admitiu. – Mas se existe tal ânimo em sua família, por que você faz com que te chamem de Merit?

     Olhei para Mallory, que estava pegando um pouco de fibra de algodão de uma das pesadas cortinas de veludo que cobriam as janelas. Ela era a única de um punhado de amigos que sabiam da história inteira, e eu não estava disposta a adicionar Ethan Sullivan para aquele grupo.

     – É melhor que a outra opção. – Eu disse a ele.

     Ethan pareceu considerar isso antes de afastar seu olhar de uma pilha de documentos em sua escrivaninha. Ele os embaralhou. – E você não está morta. Não está morta ou uma morta que anda e Buffy não seria um recurso anatômico confiável. Você não morreu aquela noite. Seu sangue foi tomado e substituído. Seu coração nunca parou de bater. Você é melhor agora, geneticamente, do que você era antes. Um predador. O topo da cadeia alimentar. Eu fiz você um imortal, assumindo que você conseguirá ficar fora de problemas. Se você seguir as regras, você pode ter uma vida longa, produtiva como um vampiro de Cadogan. Falando disso, Helen deu a você tudo o que precisa? Você recebeu uma cópia do Canon?‖

     Eu confirmei com a cabeça.

    – Você ainda tem sangue?

   – O sangue ensacado foi entregue em casa, mas eu não tive nenhum. Para ser honesta, não parecia tão apetitoso.

   – Você conseguiu bastante durante a transição, então a sede não te alcançou ainda. Tente outro dia. Você irá querer muito isso quando a Primeira Fome te golpear. – Os lábios de Ethan viraram, e ele sorriu. Estava um pouco desarmando. Aquele sorriso. Ele pareceu mais jovem, mais feliz, mais humano. – Você disse sangue ensacado?

     – É isso que é entregue. Por que isto é engraçado?

   – Porque você é uma vampira da linha Cadogan. Você pode beber diretamente de humanos ou de outros vampiros. Só não mate ninguém.

     Eu coloquei uma mão em meu estômago, como se o toque pudesse acalmar a gordurosa onda que, de repente rolou por ele. – Eu não vou morder ninguém. Eu não quero beber mesmo, ensacado ou de outra maneira, pessoas ou não. Você não pode simplesmente sair por ai e… – eu acenei uma mão no ar. – …mastigar as pessoas.

     Ethan estalou a língua. – E pensar que nós estávamos tão perto de ter uma conversação normal. Merit, você é uma adulta. Eu sugiro que você aprenda a aceitar suas circunstâncias, e depressa. Goste ou não, sua vida mudou. Você precisa entrar em acordo com exatamente quem você é…”

(Traduzido por fãs) Pesquisa e disponibilização: Fabianne Paixão. Tradução / Revisão / formatação: Tasha. Edição de imagens: Fênix

ALGUMAS GAROTAS MORDEM – Merit é uma estudante universitária, que sofre um ataque de vampiro em pleno Campus da Universidade de Chicago. Por pura sorte ou por azar, outro sanguessuga chega a tempo de afugentar o primeiro vampiro, o assassino, antes que pudesse matá-la como uma outra fora morta, ali perto. E por falta de opção, decidiu salvar sua vida, transformando-a em uma morta-viva.

Seu salvador, o vampiro mestre Ethan Sullivan. De uma das Casas de vampiros de Chicago, a Casa de Cadogan.  Alto, olhos verdes, de quatrocentos anos, ele tem séculos de charme. Mas Merit não se deixa impressionar tão facilmente, apesar de ficar bem claro sua atração imediata ao encontrá-lo. Desde o início fica registrada a sua repulsa por ter sido transformada sem ser consultada antes.

Ethan esperava dela servidão, no mínimo gratidão. Mas ela se recusa a ser igual aos outros vampiros iniciados. E se mostra indócil, desafiando-o a uma luta. Ele se surpreende com o seu desempenho por ter tão pouco tempo de vida, prometendo que será uma poderosa vampira.

Na esperança que ela faça seus votos a Casa Cadogan, ele envia-lhe um instrutor para treiná-la em lutas nas artes marciais. Para deixá-la preparada antes que se torne um membro oficial da Casa Cadoga.

Apesar de suas dúvidas em se deixar ser controlada por Ethan, ela tem que admitir, tem alguém lá fora ameaçando matar mais humanos e também querendo pegá-la. Por isso ela faz o  juramento de proteger e ser leal  a sua Casa e a Ethan. E se surpreende quando ele a torna sua Sentinela. Um alto Cargo honroso,  há muito tempo extinto.  De guardião da Casa de Codogan.

  Mas sua iniciação na vida noturna de Chicago pode ser o primeiro conflito em uma guerra…

QUER SABER MAIS? ACESSE: http://www.chloeneill.com/

volte sempre a:

VAMPIT

J. P. Santos. Agradesce.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com

Contato:

jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s