ANITA BLAKE -14° LIVRO – DANÇA MACABRA

DE: LAURELL K. HAMILTON

    “… Nós nos beijamos e nossos braços pareciam deslizar automaticamente em torno um do outro, para pressionar os nossos corpos tão próximos como nós poderíamos com roupas. Ele me afetou assim quase desde o momento que tínhamos visto um ao outro. Luxúria a primeira vista. Eles dizem que não dura, mas nós estamos há seis meses e contando.

     Eu derreti contra o seu corpo e beijei-o intensamente, profundamente. Em parte, era o que eu sempre queria fazer, quando eu o via. Em parte eu estava com medo, e tocando e sendo tocada faziam me sentir melhor. Não muito tempo atrás eu teria sido mais discreta na frente de companhia, mais meus nervos apenas não estavam bons o suficiente hoje para fingir.

     Ele não se sentiu envergonhado, ou me disse: – Não na frente de Ronnie, – o que Richard teria feito. Ele me beijou de volta com o mesmo afogamento intenso. Suas mãos me segurando como se ele nunca me deixaria ir. Nós recuamos ofegantes e rindo.

     – Isso foi para o meu benefício? – Ronnie perguntou, e sua voz não estava feliz.

     Virei-me ainda nos braços de Micah. Olhei para os olhos irritados dela e de repente estava pronta para ficar com raiva de novo. – Nem tudo é sobre você, Ronnie.

     – Você está me dizendo que o beija assim todas as vezes que ele chega em casa? – A raiva retrocedeu, e ela usou isso. – Ele esteve fora, o que, uma hora? Eu vi você cumprimentá-lo após um dia de trabalho, e nunca foi assim.

     – Como o que? – Eu perguntei, a voz deslizando para baixo. Se ela quisesse lutar, poderíamos lutar.

     – Como se ele fosse ar e você não conseguisse respirar ele rápido suficiente.

      A voz de Micah era suave, apaziguadora, tentando falar-nos para baixo. – Nós interrompemos algo?

     Virei-me para o rosto de Ronnie. – Eu estou autorizada a beijar o meu namorado do jeito que eu quiser beijá-lo sem pedir sua permissão, Ronnie.

     – Não tente me dizer que você não está esfregando isso na minha cara, agora mesmo, com o show.

     – Vai fazer terapia, Ronnie, porque eu estou malditamente cansada de suas questões chovendo em cima de mim.

      – Eu confiei em você. – disse ela , a voz estrangulada com a emoção que eu não entendi, – e você fez um show como esse na minha frente, como você pode?

     – Oh, isso não foi um show, – Nathaniel disse apenas de dentro da porta, – mas se é um show que você quer, podemos fazer isso também. – ele deslizou para a cozinha nas bolas de seus pés, mostrando tanto as graças de sua formação em dança como a graça sobrenatural de wereleopardo. ele puxou a parte superior de sua tank top fora em um gesto suave e deixou-a cair no chão.

     Eu realmente apoiei por um passo antes que eu entendi. Eu não havia percebido até aquele momento que ele estava irritado com Ronnie. Quais pequenas observações mordazes que ela tinha feito para ele, que eu não tinha ouvido? Quando ele me disse que ela não o via como real, ele estava tentando dizer-me mais do que eu tinha ouvido. Que eu tinha falhado em algo grande estava lá em seus olhos irritados.

     Ele arrancou o laço de seu rabo de cavalo e deixou seu cabelo ruivo no comprimento do tornozelo cair em torno de seu corpo quase nu. Os shorts curtos de corrida simplesmente não cobrem muito.

     Eu tive tempo para dizer: – Nathaniel – e ele estava a minha frente. Essa energia do outro mundo que todos os licantropos podem emanar tremeu-lhe a pele e ao longo do meu corpo. Ele em 1,70 metros, apenas alto suficiente para eu ter que olhar para cima para encontrar seus olhos. Se ira virou-os de lavanda para uma cor mais escura de violetas, se as flores pudessem queimar com raiva e força de personalidade. Nathaniel estava em seus olhos e com aquele olhar ele me ousava, me desafiava, a recusá-lo.

     Eu não queria recusá-lo. Eu queria envolver seu corpo e esta energia rastejante da pele ao redor de mim  como um casaco. Ultimamente quase nenhum esforço parecia alimentar em sexo. Com medo? Sexo fazia me sentir melhor. Zangada? Sexo iria me acalmar. Triste? Sexo me faria feliz. Eu era viciada em sexo. Talvez. Mas Nathaniel não estava me oferecendo sexo real.Ele só queria tanta atenção como eu tinha dado a Micah. Pareceu-me justo.

     Fechei a distância entre nós com as minhas mãos,  minha boca, meu corpo. A energia de seu animal derramada em torno de nós como estar mergulhados em um banho morno que tinha uma carga elétrica suave. Ele tinha sido um dos menores dos meus leopardos até que um acidente metafísico levou-o de pomme de sang para meu animal de chamada. Eu era o primeiro servo humano de vampiro a ganhar habilidade vampira de chamar um animal. Todos os leopardos eram meus para chamar, mas Nathaniel era o meu animal de estimação especial. Nós ambos ganhamos a partir de uma união mágica, mas ele ganhou mais.

     Ele me levantou, usando apenas suas mãos nas minhas coxas. Mesmo através de meus jeans ele me fez saber que estava feliz por estar pressionado contra o meu corpo. Tão feliz que isso forçou um som de mim.

     A voz de Ronnie veio dura, feia, como se ela estivesse engasgada com sua raiva. – E quando o bebê chegar, você vai foder na frente dele também?

      Nathaniel congelou contra mim. A voz de Micah veio de trás.

     – Bebê?…”

(Traduzido por fãs) Revisão e Notas de Rodapé: Maga. Tradução, formotação final  e Arte: Poiesis (Marília).

DANSE MACABRE – Ou, “Dança Macabra”. – Jean-Claude, o Vampiro Mestre da Cidade de St. Louis, é o patrono da primeira e sempre morta companhia de dança, que em sua maior parte é de vampiros. Ele esta dando uma festança de boas vinda à cidade,  para promover o grupo de dança. E para conseguir que os dançarinos atravessem os territórios de outros Vampiros Mestres sem problemas, ele abriu uma negociação. Então é marcada uma reunião, a qual será a maior reunião de Mestres Vampiros na America. E ira aproveitar a ocasião para formar alianças fortes com novos aliados.

Mas foi Anita,  a Levantadora de Zumbis e Marechal Federal  Executora de Vampiros, que foi colocada como barganha. Por causa de sua necessidade ninfomaníaca, que adquiriu do poder de Jean-Claude quando fundiram o triunvirato entre ela, Jean-Claude e Richard, o  lobisomem. Ela precisa ser alimentada com sexo ou sangue, a todo instante. Para manter todos que estão ligados a ela, a salvo. O Ardeu.  Que a leva a se manter  em  atividade sexual  com quase todos os homens que passam em sua vida. Na esperança de obter mais poderes,  cada Mestre Vampiro trás consigo um candidato a ser seu Pomme de Sang, os quais Anita deverá escolher ou não, um.

Mas Anita está em crise existencial. Vivendo uma vida conturbada com a política intensa dos vampiros enquanto sua vida pessoal esta desmoronando.  Ela desconfia que possa estar grávida.  Mas, quem seria o pai? Agora com a possibilidade de uma gravidez ela entra em parafuso. Enquanto os futuros pais vibram com a possibilidade de terem um filho de Anita. Até fazem planos de como poderiam dividir as tarefas para cuidar do pequeno rebento, para que ela consiga manter o seu ritmo de vida. Anita pira. Será se ela conseguirá enfrentar esse desafio?

QUER SABER MAIS? ACESSE:  www.anitablake.c om

volte sempre a:

VAMPIT

J. P. Santos. Agradesce.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com

Contato:

jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s