SÉRIE DOCE – 2° LIVRO – SWEET PERSUASION

DE: MAYA BANKS

 

      “… – Eu queria um lugar que nós pudéssemos falar em particular, –  disse ele. – Tenho algo para você.

     – Ah?

     Seu coração bateu contra seu peito, quando ele deslizou um envelope sobre a mesa na direção dela. Não tinha notado que ele pegou do carro, mas depois, sua concentração estava em outras coisas. Como ele parecia muito bom.

     Com dedos trêmulos, abriu o envelope. Antes de desdobrar as páginas, ela olhou para ele em questão. Estava bastante certa de que era isso que pediu, mas agora que ele estava aqui, na frente dela, estava um pouco assustada e muito insegura.

     – Você hesita, –  ele disse calmamente.

     – Estou nervosa, –  admitiu.

     – Muito natural. Você está tendo segundos pensamentos?

    Ela corou.

    – Você nunca disse uma palavra sobre o fato de que era eu…

     Ele deu de ombros.

     – Achei que você tinha suas razões. Não me deve uma explicação.

   Ela olhou para o papel, em seguida, abriu lentamente. Idade, endereço, detalhes físicos, aparência, características foram listadas primeiro. Seus olhos brilharam sobre a folha, quando tentou tomar o máximo de informações que pôde ao mesmo tempo.

     Sem antecedentes criminais, emprego estável e renda. O olhar dela disparou de volta a página, e foi então que ela viu o nome olhando ousadamente para ela. Damon Roche.

     Ela ofegou rapidamente, e puxou a cabeça para olhar para Damon.

     – Eu não entendo.

     Ele levantou uma sobrancelha quando a estudou atentamente.

     – Não, é?

     – Por quê? –  Ela exigiu.

     Se ele pretendia pega-la completamente fora de guarda, certamente conseguiu.

     Ela estava tão agitada que suas mãos tremiam e o suor frisou na testa.

     – Por que não? –  Ele perguntou calmamente.

     – Não brinque comigo. Este não foi o nosso acordo.

   – O nosso acordo era que você queria que eu encontrasse um homem adequado para uma situação de fantasia sexual. Sou esse homem. Não vejo o problema. –  Ele se inclinou para frente em sua cadeira e fixou-a com seu olhar.

     – Você prefere um completo estranho para tomá-la e possuí-la? Se nós não nos encontrássemos como fizemos, se alguém tivesse criado o nosso encontro, você iria querer que eu fosse o homem que controlaria a sua fantasia?

     – Mas por quê? –  Ela sussurrou.  – Por que não se voluntariou desde o inicio?

    – Não sabia que você era a mulher, –  ele disse simplesmente.  – Quando descobri, sabia que tinha de ser o único a tê-la.

     Ela olhou pasma como uma idiota, os lábios entreabertos em estado de choque.

     – Você me quer?

     – Por isso te surpreende? Você é uma mulher bonita, Serena. Queria você a partir do momento em que entrou no restaurante. Depois que eu li o seu eloquente e-mail e vi que tinha escrito, não havia qualquer dúvida sobre eu avançar. Nenhum outro homem a teria.

    Calor tremulou através de seu abdômen, queimando um caminho para sua virilha. Seu clitóris pulsava e latejava, e os mamilos endureceram até doer. Seu juramento sussurrou através de seus ouvidos, até que se recuperou e fez eco, sedutor e atraente.

     Havia arrogância crua em sua expressão. Confiança. Mais do que isso, havia conhecimento.

    Poder. Ela almejou isso com todo seu ser. Queria a ele mais do que queria algo mais, e tudo o que tinha a fazer era estender a mão e tomar.

    – Diga-me, Serena. Você me quer? –  Ele perguntou baixinho.  – Você arde por mim? Quer minha posse? Você fica acordada a noite querendo um homem forte o suficiente para aproveitar a sua sexualidade, acariciá-la até que o fogo a queime, e libere isso, libertando-a?

     – Sim, –  sussurrou ela, com a voz presa na garganta.  – Sim.

     – Há muito que deveríamos discutir, –  disse ele.  – Mas não aqui. Nós vamos resolver os aspectos técnicos e preparar o terreno, mas para os detalhes mais íntimos… vamos nos encontrar em um ambiente mais privado.

    Como ele disse isso, esticou o braço e arrastou um dedo pelo seu rosto e em seguida, empurrou um cacho do cabelo dela longe do seu rosto, e enfiou-o atrás da orelha.

     – Estou muito ansioso por essa conversa, –  ele murmurou.

    O calor subiu por suas bochechas, e ela pegou o seu toque, antes que pudesse pensar melhor.

     – Eu não sei o que dizer.

   – Não há nada a dizer, mas sim. A menos que você tenha mudado de ideia? Posso claro, encontrar outro candidato apropriado, mas não posso ser o único que sentiu a faísca entre nós, Serena, e depois de ler seu e-mail, eu não tomo você por uma covarde.

     Ela estava simplesmente muito sobrecarregada.

    Ele se inclinou sobre a mesa mais uma vez e capturou sua mão na dele. Seu polegar esfregou distraidamente por cima dos nós dos dedos, sensual e perturbador.

     – Vamos começar pelos pequenos detalhes para tirar fora do caminho, – disse ele. – Nós podemos definir uma data para discutir aspectos mais… pessoais, depois que você tiver tempo para digerir tudo isso.

     – O âmago da questão? –  Ela resmungou.

    Ele pegou sua mão e levou-a devagar aos lábios. Sua respiração ficou presa na garganta e se recusou a deslizar de seus lábios enquanto ela antecipou o toque de sua boca.

   Uma descarga elétrica provocou ao longo de suas veias. Correntes, quentes e vibrantes, correram até seu braço, e mandaram espinhos de consciência, indo da base do pescoço até os cabelos minúsculos em sua nuca, arrepiando.

     Seus lábios se moviam suavemente sobre dobra dos seus dedos, até que repousaram sobre suas juntas.

     – O âmago da questão são os detalhes desagradáveis, o lado não tão romântico do nosso acordo. Estéril, talvez, mas necessário.

    Ela levantou a sobrancelha em questão e em silêncio, porque no momento não poderia ter falado se quisesse.

     Ele pegou uma folha de papel abaixo da outra e entregou a ela. Com cuidado, ela tirou a mão da sua e lamentou a perda de seu calor. Pegou o papel e verificou o conteúdo.

     Era um relatório médico. E então ela percebeu.

     – Oh, –  disse suavemente.  – Você deve me achar a mais tola. Eu não tinha… Deus, que idiota eu sou.

     Ele sorriu gentilmente.

    – Não é uma idiota, Serena. Apenas nervosa e quis avançar antes que perdesse sua coragem. Você teria pensado nisso, não tenho dúvidas, e teria exigido que lhe desse.

     – Mas eu não tenho, quero dizer, vejo um médico regularmente, mas não comecei os testes…

     – Posso arranjar isso com o meu médico a qualquer momento, –  ele ofereceu.  – É importante que você se sinta segura comigo, e é importante que nossa boa saúde seja averiguada. Quero dar-lhe a sua fantasia, Serena, e não quero nenhuma feiura se intrometendo.

     – Telefono ao meu médico amanhã, –  disse ela.

     – Isso significa que você está concordando? –  Damon perguntou.

     Ela respirou firmemente enquanto olhava para o belo homem sentado em sua frente. Sim, ele era lindo. Estava confiante, usava a arrogância como uma capa, e Deus, como ela amava a arrogância, homens seguros, mas ele não veio transversalmente como um idiota. Este era homem de verdade? Ou estava apenas desempenhando um papel?

     Ela queria saber tanto que podia provar.

     Ela lambeu os lábios e, em seguida, assentiu.

     – Eu quero ouvir você dizer isso, –  alertou.

     – Sim. Eu concordo.

     Seu sorriso era triunfante, algo escuro e primitivo brilhou em seus olhos. Nesse momento, ela imaginou como seria sendo dele, encheu-a com uma ânsia poderosa.

     – Jante comigo este fim de semana, –  disse ele. Não era um pedido, e parecia absolutamente sem remorso, em essência, um comando.  – Isso lhe dará tempo para consultar o seu médico e pensar em mim. E você. Nós. Então, podemos nos reunir para discutir os detalhes mais íntimos do nosso acordo.

     Do jeito que ele disse íntimo, fez todas as suas partes femininas formigarem. E então lhe bateu que ela ia se tornar muito íntima deste homem. Todas as fantasias de lado, ele estava se oferecendo para dar-lhe a realidade.

     Com ele.

    Iria vê-lo nu. Ele iria tocá-la, ter suas mãos e boca em seu corpo. Tremia dos pés à cabeça, e seus joelhos batiam um no outro, até que teve de colocar a mão em uma de suas pernas para impedi-la.

    Comida? Completamente esquecida. Não tinha qualquer esperança de almoçar. Não quando tudo o que estava imaginando era como era o sabor dele. Chamas queimaram seu rosto, queimado quando se lembrou quão descritivo seu e-mail tinha sido.

    – Eu pensei que Faith era a única mulher na terra que corava tão vividamente, –  disse ele em tom tingido de diversões.

    Ela gemeu e fechou os olhos.

    – Não tenho uma prece para não aparecer. Você completa e totalmente tirou o chão dos meus pés.

     – Como você fez isso quando eu li o seu e-mail, –  ele disse suavemente.  – Não posso permitir que outro homem tenha o que já considero meu…”

(Traduzido por fãs) Equipe prazer em seduzir. Disp e tradção: Raquel.  Revisora inicial: Tina. Revisora final: Dyllan. Formatação: Dyllan. Log/Art: Dyllan.

SWEET PERSUASION – Ou, Doce Persuasão – Serena é uma empresaria de sucesso. Comanda a Fantasy Incorporated, e dedica seu tempo na concretização das mais diferentes fantasia de seus clientes. Uma princesa viajando em um navio… Um famoso chef dirigindo um grande restaurante…  Mas, quem realizaria suas fantasias?

É Faith, sua amiga intima que lhe indica um conhecido. Daman Roche. Dono de um clube privado de sexo exclusivo. Ele, ela garante, de ter como resolver o seu problema. Arranjará alguém que atenda o perfil do homem certo para satisfazer o seu desejo mais secreto. Que é dar a posse de seu corpo a um homem forte o suficiente para fazê-la fazer qualquer coisa que ele queira. Qualquer coisa. Um homem que vai comandá-la, a seu prazer, e ter total autoridade sobre ela.

Então, ela procura Damon.

Mas, depois que Damon conhece sua fantasia, recusa-se a dá-la a qualquer outro que não seja ele mesmo. E determinado a realizar todos os por menores, de sua fantasia,  eles vivenciam  o mundo que ela sonhou. Cada detalhe, cada desejo é exatamente como ela descreveu para ele em um ousado e-mail. E ela mergulhar nesse mundo diferente, em um mundo que para ela não existe de verdade. E ele se torna o homem perfeito para sua fantasia, para mimada, acarinhá-la e fazê-la submissa. Enquanto isso, sua vida normal aguarda para ela voltar, lá fora. Mas Damon não quer deixá-la ir. Serena é a mulher que ele procurou, por muito tempo. E cabe a ele convencê-la a ficar, quando o jogo terminar. Ele quer que sua fantasia se torne realidade. Ele quer ter Serena só sua…

QUER SABER MAIS? ACESSE:   http://www.mayabanks.com

Volte sempre a,

VAMPIT.

J. P. Santos, agradece.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com.

Contato:

 jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE SEU COMENTÁRIO.

2 Respostas para “SÉRIE DOCE – 2° LIVRO – SWEET PERSUASION

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s