SÉRIE DOCE – 3° LIVRO – DOCE SEDUÇÃO

DE: MAYA BANKS

 

     “… – Hum, acho que estou muito bêbada ou me falta imaginação, mas agora estou morrendo de vontade de ouvir essas ideias anticonvencionais que você tem sobre trelas.

    Julie bufou.

    – Vamos lá, Faith. Você é uma criança de vida selvagem. Se você não consegue entender isso, você precisa ir assistir a alguns pornôs ou algo assim.

    – Certa vez, invadi o esconderijo de Micah, –  admitiu.  – Ele tem algumas, errr, hum, interessante material.

     Tanto Serena e Julie levantaram a cabeça, ou pelo menos tentaram. Julie aterrissou de volta com um baque, e ela gemeu.

     – Nós estamos morrendo de curiosidade aqui, Faith desembucha. –  Disse Serena.

    – Muita coisa de escravidão. Mais escuro do que eu teria pensado. Parecia assustador, mas isso me fez ficar arrepiada, ao mesmo tempo, –  disse Faith.

     – Oh? Bem, eu meio que desconfiava que ele fosse do tipo que gostava de servidão. Ele é todo de aparência, e parece que gosta de mulheres submissas, –  disse Julie.

     – Uh-huh, –  disse Serena.

     – Havia algo no acordo, –  Faith alfinetou.

     Serena riu.

     – Eu senti a picada de Micah no chicote, –  disse ela tristemente.

     – Damon permitiu isso? –  Julie perguntou.

     – Ah, sim, –  ela suspirou. Ela ficou em silêncio, e Julie não se intrometeu mais.

    – Então o que mais? –  Julie perguntou a Faith. Estava curiosa para saber as tendências de Micah, agora que sabia que ele transou com ela junto com Nathan.

     – Material escuro.

     – Você já disse isso, –  disse Serena pacientemente.  – Que tipo de material escuro.

     – Surras, mas não do tipo leve e macia. Dor, do tipo nervoso que cruza a linha do prazer. Cera quente. E quando eu digo submissão, eu quero dizer completa e submissão absoluta. É difícil de explicar. Tem que estar no calabouço para sentir isso. Ele parece gostar de sexo a três também, mas acho que todos nós sabemos disso, –  acrescentou com uma gargalhada.

     – O que você acha que sua história é? –  Julie murmurou.  – Um homem assim tem todos os tipos de segredos suculentos, estou disposta a apostar.

     – Não sei, –  disse Faith. – Em alguns aspectos ele é um livro aberto. Em outros, ele é tão lacônico. Por exemplo, tira seu tempo livre no mesmo dia a cada ano. Ninguém sabe para onde vai ou o que faz. Fica mal-humorado até chegar o dia e, em seguida, ele desaparece. Quando retorna, então ele volta ao seu antigo eu.

      – Oh, você está certa, isso soa suculento, –  disse Serena.  – Somos mulheres, o que significa que somos intrometidas. Agora estou morrendo para saber aonde ele vai.

     Julie riu.

    – Pergunte a ele.

    – Não, obrigado. Como eu disse, senti o chicote dele. Não acho que quero bagunçar com ele. Sei que ele é geralmente tão calmo, mas não acho que gostaria de vê-lo verdadeiramente zangado.

     – Oooh, as estrelas estão girando agora,   disse Faith.

     Serena fungou.

     – Esta é a sua cabeça, idiota.

     – Lindo, –  disse Faith com uma risadinha.

     – É leve, –  Julie disse com desgosto.

     – Quem vai ser voluntária para se levantar primeiro? –  Serena perguntou.

     – Não eu, – disse Faith.

      – Ou eu, –  Julie acrescentou.

     – Então nós ficaremos aqui. Funciona para mim, –  disse Serena.

     – Que diabos vocês meninas estão fazendo no chão?

    Os olhos de Julie se abriram sobre os olhos divertidos no qual ela passou a maior parte das últimas três noites fantasiando.

     – Nathan?

     Nathan olhou para as três mulheres esparramadas no chão e tentou como o inferno suprimir o seu sorriso.

     Agachou-se ao lado de Julie.

     – Estou surpreso que você me reconheça.

     – Não pode ter muitos rapazes lindos carecas correndo no Cattleman, pode?

     Ele perdeu a batalha com a boca, contraindo-se riu.

     – Teve um pouco demais para beber?

     – Oi, Nathan, –  Faith disse, segurando os dedos para cima e balançando-os.

     – Ei, doçura, Serena está consciente ai?

    Serena deixou escapar um som que ele não conseguia decifrar. Não era exatamente um som humano. Voltou sua atenção para Julie.

     – Então, como vocês meninas planejam chegar em casa afinal?

     – Táxi.

     – Ah. Bem, tenho uma ideia melhor.

   Ele pegou seu telefone celular, ainda rindo. Ele se levantou e passou a poucos metros de distância quando bateu no número de Gray.

     – Você está fora até tarde, –  disse Gray quando atendeu ao telefone.

     – Assim como sua esposa.

     – Sim, a noite das meninas. Como você sabia?

     – Bem, estou olhando para ela, Julie e Serena, deitadas no chão do Cattleman, –  Nathan
disse com uma risada.

     – O quê? Que diabos?

     – Relaxa, cara, ela está bem. Elas estão bêbadas, como gambás e se divertindo tanto quanto eu posso dizer. Elas disseram que estavam pegando um táxi de volta para Damon, mas não me senti confortável em deixá-las escorregar em um táxi, tão bêbadas quanto estão. Pensei que você talvez quisesse vir buscar Faith.

    – Claro que sim. Obrigado, cara. Última coisa que eu quero é algum palhaço vendo três mulheres fáceis. Que inferno Damon estava pensando? Pensei que tinha pelo menos enviado a montanha do motorista como guarda-costas.

     – Vou deixar você chamá-lo para coletar Serena.

     – E Julie?

   – Eu vou cuidar de Julie, –  Nathan disse suavemente. Estava esperando por sua chance de agarrar a pequena artista de escapar…”

(Traduzido por fãs) Equipe prazer em seduzir. Disp e tradução: Rachael.  Revisora inicial: Tina. Revisora final: Dyllan. Formatação: Rachael. Logo/Art: Dyllan.

 

SWEET SEDUCTION – Ou, Doce Sedução – Julie Stanford era a proprietária do salão de beleza. E desejou Nathan Tucker, desde o dia que lhe deu a sua primeira massagem. E saboreava tocar cada centímetro de seu corpo despido, oleado e sexy.  Ele era o homem perfeito para seus sonhos mais eróticos… Mas, ele era alheio aos sinais que ela vinha lhe dando, quando o tinham sob suas mãos. Cansada de esperar que ele a notasse,  resolveu seguir em frente. Daria sua última massagem e ele nunca mais a veria. Mas seria uma massagem especial, com um extra, o melhor extra que ele jamais teve. Porém ele só perceberia tarde demais. Julie partiria para outro, ela iria querer alguém quente, que soubesse satisfazer uma mulher.

Ele se agradou muito dela, e não podia mais viver sem o seu toque. Julie era tudo que Nathan queria. Tão bonita determinada e muito sedutora. Mas um dia a massagem foi diferente…  ela atiçou fogo em seu corpo, deixou-o louco por ela e depois sumiu. Ele a procurou, mas ela se tornou escorregadia,  evitava-o de todas as maneiras. Mas quando ele soube o que ela queria fazer… realizar todas as suas fantasias com pessoas desconhecidas… ele enlouqueceu. Nunca, nem sobre seu cadáver ele deixaria isso acontecer. Ele teria que arranjar um jeito de lhe impedir. Nem que para isso ele tivesse que aceitar a ajuda de um amigo para…   poder seduzi-la.

QUER SABER MAIS? ACESSE:  http://www.mayabanks.com

VAMPIT

J. P. Santos. Agradesce.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com

Contato:

jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s