ANITA BLAKE – 16° LIVRO – BLOOD NOIR

DE: LAURELL K. HAMILTON

     “… – Eu sei. Você não me ama do jeito que você ama Nathaniel ou qualquer outra pessoa. Mas você realmente se importa comigo, não  é?

     Eu olhei para aquele rosto. Um cara que tinha sido meu amigo há anos, e mais do que apenas um amigo por cerca de um ano. Eu disse que a única coisa que eu poderia dizer:  – Sim.

     Nós chamamos Jean-Claude enquanto ainda era noite, por isso, poderia dizer-lhe que o seu Pomme de Cantar, Jason, e seu Servo Humano, eu, havia planejado. Eu pensei que ele poderia dizer-me que era uma coisa estúpida de fazer, e dizer-nos não. Ele era o chefe de Jason e o Mestre, e tecnicamente ele era meu Mestre. Embora honestamente, eu não o deixei puxar o cartão de Mestre para mim, muitas vezes.

     Jason disse-lhe, e em seguida passou o telefone de cabeceira para mim.

     – Ele quer falar com você.

    Jason levantou-se acolchoado para o banheiro. Nathaniel ficou onde estava ao meu lado.

     – Ei, Jean-Claude.

     – Ma petite, estou surpreso que você concorda com isso.

     – Eu também.

     Ele riu, aquele riso maravilhoso, palpável. Isso me fez tremer e não era de medo. Nathaniel aconchegou mais perto de mim, como se tivesse sentindo o gosto dele.

     – Obrigado por cuidar de Jason de uma maneira que eu não posso.

     – Então, você não vai  tentar nos impedir de fazer isso?

     – Você gostaria?

     Eu percebi que sim, eu queria. Agora que eu disse sim, eu estava me sentindo estranha sobre isso, e ainda mais tola.

     – Vou ser tipo, inábil.

    – Vai ser difícil para você. Você será o seu único apoio emocional em uma situação muito traumática.

     – Você parece falar como um terapeuta , Jean-Claude.

     – O que você quer dizer?

     – O que você está realmente pensando?

     Ele deu aquele riso novamente, e meu escudo caiu o suficiente para que eu soubesse que ele estava sentado em sua cama usando nada mas que os lençóis de seda. Eu tenho um vislumbre do que o cabelo ondulado preto sobre o branco perfeito dos ombros. Fechei os escudos para baixo antes que eu pudesse ver, literalmente, o azul-escuro de seus olhos.

     Eu tomei uma respiração profunda, e contei lentamente enquanto expirava. Se eu não fosse cuidadosa o vínculo entre ele e eu podia distrair-me, muito.

      – O que você está pensando, Ma petite?

      – Em você, e não tente. Onde está Asher?

      – Ele está atrasado, mas ele vai estar aqui.

     – Jason quer sair de manhã. Quem é que vai te alimentar enquanto estivermos fora?

     – Há sempre dispostos doadores de sangue, Ma petite.

     Eu não gostei do jeito que ele disse isso. O surto de um pequeno ciúme veio e eu combati, até a morte, antes que pudesse soar em minha voz.

     – Não coma nada que eu não concorde com você.

     – Você está com inveja, Ma petite?

     – Talvez.

     – Eu também.

     – O que você quer dizer?

   – Você estará indo para casa para conhecer a família de Jason. Você estará fazendo algo muito comum, muito humano, que será sempre negado para mim.

     – Eu não entendo.

    – Minha família morreu muito antes de você nascer, Ma petite. Eu não posso apresentar a minha mãe para você, ou a  minha irmã. Eu não posso dar-lhe a experiência muito normal de ver de onde eu vim, e quem é a minha gente.

    – Eu me encontrei com a cabeça de sua linhagem, Jean-Claude. Acho que Belle Morte é o seu povo.

   – Não, Ma petite, ela é meu Mestre, ou era, mas ela nunca foi da família. Ela foi amante e deusa, mas isso não é a mesma coisa.

     – Você está com ciúmes de Jason, por que sua família está viva e ele vai me levar para sua casa.

    – Oui.

    Fiquei ali com o telefone ao ouvido, e só pensava nisso.

     – Eu nunca pensei que seria importante para você.

   – Eu não me arrependo do que eu sou, Ma petite, mas eu me arrependo um pouco do que eu não tenho. Eu daria tudo para você conhecer minha mãe e minha irmã.

   – Não o pai, – eu disse.

  – Ele morreu quando eu era muito jovem. Eu não tenho muitas lembranças dele.

     Mais uma vez, algo que eu não tinha conhecimento. Hoje foi apenas cheio de novas descobertas sobre as pessoas que eu pensei que conhecia intimamente.

    – Você está chateado por eu não te levar para casa, para conhecer minha família?

     Ele fez um pequeno som. – Não, eu … –  Ele riu, mas não era sexy, mais rir de si mesmo. – Eu acho que… eu posso estar. Talvez eu sinta que você não me ache bom o suficiente.

     – Acho que minha avó Blake iria persegui-lo para fora da casa com um crucifixo e água benta, é o que eu penso.

     – Ela é uma mulher devota?

   – Fanática. Fui informada que ela está orando pela minha alma por causa de você.

     – Tenho lhe alienado de sua família, Ma petite?

   – Não, eu já estava distante, se é assim que você quer colocá-lo. Digamos que a vovó Blake já estava orando para mim a coisa toda de levantar-zumbis-do-túmulo. O meu sono com os mortos-vivos é apenas outro sintoma da minha condenação.

     – Sinto muito, Ma petite, eu não sabia.

     Dei de ombros, sabia que não podia vê-lo, e disse:  – Está tudo bem.

    – Então você vai com o nosso Jason e conhecer sua família, ser sua namorada.

      – Você está com ciúmes.

      – Minha voz estava vazia de emoção, –  disse ele.

     – Sim, e quando sua voz soa mais vazia, você está escondendo algo. Você sabe que não deve ter  ciúmes de Jason.

     – Eu não estou com ciúmes do jeito que você quer dizer.

     – Então explique.

     Nathaniel tinha encostado mais, ao meu lado, ouvindo.

   – Você ainda não tem trinta e ele é vinte e três. Vocês dois são tão jovens, Ma petite. Você vai para longe em sua terra natal e são muito jovem juntos. É algo que eu não posso estar com você. Eu não posso ser jovem e ingênuo e incerto.

    – Você não seria você se fosse qualquer dessas coisas. Eu te amo do jeito que é, Jean-Claude.

     – Eu gostei disso. Acha  que eu precisava ouvir isso, Ma petite?

    – Sim, –  eu disse.

    Ele riu novamente, e me fez tremer mais perto de Nathaniel.

    – Eu me sinto estranhamente em conflito. Jason é o meu Pomme de Cantar, e é precioso para mim. Você é meu Servo Humano e cuida dele de modo que é uma coisa linda. Isso fará com que os outros vampiros pensem em mim como um senhor muito gentil, mas eu sei que você faz porque você se importa com ele. Ele é jovem e bonito e charmoso.

     – Você não pode ser inseguro.

    – Por que não posso ser?

    – Porque você é lindo e maravilhoso na cama, e eu te amo.

    – Mas Jason pode ser uma coisa para você que eu não posso, Ma petite.

    – O que seria isso?

   – Mortal. Ele pode envolvê-la na juventude da sua vida. Ele pode lhe oferecer a bagunça da sua família. Ele pode mostrar-lhe onde ele cresceu, apresentá-la às pessoas que o conheciam quando criança. Todos aqueles a quem eu posso apresentá-la me conheciam como um vampiro, não como um mortal.

    – Eu acho que esse é seu problema, Jean-Claude, não meu. Eu não estou realmente ansioso para viajar para baixo na nostalgia com Jason e seu pai abusivo.

     – Eu sinto que você quis dizer isso, mas eu me acho numa estranha inveja. Eu não tinha pensado em minha família dessa forma há muito tempo.

      – Está com um som de saudade.

     – Suponho que é uma boa palavra como qualquer outro.-  Ele parecia triste.

     – Você precisa de nós  hoje à noite?

    – Para quê? Você não iria chegar muito antes do amanhecer, e sairia antes que eu acorde para o dia.

    – Eu me sinto como você precisa de um beijo de adeus, eu acho.

   – Obrigado pelo sentimento, Ma petite, mas vou trabalhar, como você disse, são os meus problemas. Você, eu acho, terá suas mãos em trabalho completo sobre Jason.

     O que eu poderia dizer sobre isso?

     – Sim, – eu disse.

     – Je t’aime, ma petite.

     – Eu também te amo, –  eu disse.

     Acho que era tudo, o que mais havia a dizer?…”

(Traduzido por fãs)

BLOOD NOIR – Ou, Sangue de Noir – Anita Blake, uma delegada federal executora de vampiros e levantadora de zumbis é a namorada e Serva Humana do Vampiro Mestre da Cidade, Jean-Claude. Ela está às voltas com Jason, o lobisomem, Pomme de Cantar de Jean-Claude, o seu doador de sangue. Ela se ofereceu para acompanhá-lo, como sua namorada, a voltar para casa. Para ver o pai que está à beira da morte. Porém o medo de enfrentar uma viagem de avião não estará na lista dos momentos mais terríveis que terá que enfrentar junto a ele.

Anita terá que enfrentar o pai de Jason e fazê-lo compreender o quanto magoado ele é capaz de deixar seu filho por puro preconceito. Encarar a cobiça das ex-amantes de Jason e reavaliar seus sentimentos por ele. Seria só amizade?

Marmee Noir é a Mãe de todos os vampiros. A mais antiga vampiro do mundo. O primeiro vampiro que transmitiu o vírus e criou todos os outros. Ela é poderosa, e está “adormecida” por mais de mil anos. Mas em seus sonhos, ela aterroriza, os outros vampiros.  E em um de seus sonhos ela colocou um pedaço de seu animal para chamar dentro de Anita. Porque? Ela quer Anita como seu Servo Humano… Ao tentar fazer mais uma marca em Anita acaba levantando o ardeus e provocando o seu maior medo. Não conseguir controlar seu poder, que a leva a seduzir mais homens para sua vida.

Jason confundido com um primo distante, será alvo de um vampiro mestre enciumado, e sua vida correrá perigo. Será se Anita conseguirá  salvá-lo?

DEIXE SEU COMENTÁRIO. GOSTOU?

QUER SABER MAIS? ACESSE: www.anitablake.com

Volte sempre a,

VAMPIT. 

J. P. Santos, agradece.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com.

Contato:

 jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE SEU COMENTÁRIO.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s