VAMPIROS DE CHICAGOLAND – 4° LIVRO – HARD BITTEN

DE: CHLOE NEILL

VAMPIROS DE CHICAGOLAND 4° LIVRO

     “… – e fui direto para o escritório do Ethan. A porta do escritório estava aberta e ele estava sentado em sua mesa atendendo uma ligação. Eu esperei até ele terminar a ligação e comecei a falar. As palavras vindo; rapidamente.

     – Foi em num arranha-céu em Streeterville, mas não era uma rave intima não como nós pensávamos. Essa tinha pelo menos duas dúzia de vampiros. Muita magia, muito glamour e muita briga. Todos estavam muito perto de estourar, como se  estivessem à espera de uma desculpa para brigar. Tinha muitos seres humanos e algumas sangrias. E há também a possibilidade de alguns deles estarem sendo  drogados para ficarem susceptíveis ao glamour.

     Os olhos de Ethan se focalizaram em algo por trás de mim.

     – Siri. – Ele disse depois de um momento. – Essa é a Merit, Sentinela da Casa de Cadogan. Merit, Darius West, chefe do Presídio de Greenwich.

     Oh, merda!

    Eu congelei, percebendo pela primeira vez – e muito tarde  – que não estávamos sozinhos no escritório. Fechei os olhos constrangida, ruborizando. Tanto por manter a nossa infiltração nas raves encoberta.

   Poucos segundos depois, eu finalmente abri meus olhos novamente, à espera de ver a fúria de Ethan. Em vez disso, ele ofereceu um gentil olhar de repreensão. Talvez ele estivesse mudando.

    – Eu sinto muito. – murmurei, antes de virar para Darius. Ele estava com Malik e Luc, sentado no escritório na frente da mobília de couro que não estava lá na minha ultima visita. Helen fez um excelente trabalho.

    Darius era alto e  magro,  com cabeça raspada e olhos azuis. Suas feições eram afiadas e um pouco arrogantes, nariz reto, boca larga e com um queixo aristocrático.

     – Isso é um conto muito interessante a narrar.  –  Ele disse. Darius tinha um sotaque claramente inglês, sua dicção teria deixado à rainha orgulhosa.

   – Vem sentar-se. Ethan, você não gostaria de se juntar a nós, também?

   Tive um pressentimento de que o pedido era na verdade uma ordem; então me sentei em uma das cadeiras de couro que ficavam de frente para o sofá. Quando Ethan me seguiu, Luc e Malik se sentaram nas duas  cadeiras remanescentes. Ethan pegou uma cadeira ao meu lado.

     Darius sentou no sofá, colocou a mão no seu bolso e retirou uma leve caixa prateada. Ele abriu e puxou um pequeno cigarro preto. Não foi até que ele o colocasse em sua boca que ele olhou ao Ethan para ter permissão.

    – Fique a vontade. – Ethan disse, mas estava claro que ele não apreciava a ideia de Darius fumando na Casa.

     Com o cigarro na lateral de sua boca, Darius devolver a caixa para o seu bolso e puxou um isqueiro. Ele acendeu, deixando uma nuvem de fumaça pairando no ar, tocou a ponta do cigarro antes de colocá-los entre seus dedos. Colocou as cinzas em um pesado prato de cristal situado no meio da mesa de café.

  Tragou por um momento em seguida levantou uma única sobrancelha. – Eu acho que agora nós sabemos de onde vem à expressão que o Ethan tinha. –  e soprou uma nuvem de fumaça por um dos lados da sua boca.

   – Nesse clima político – ele começou. – Com esses desafios você manda sua Sentinela para uma rave?

   – Eu não tenho certeza se era uma rave. – eu apontei, tentando salvar o que podia. – Nós acreditávamos que poderia ser uma rave, – ou alguma coisa que se denominava uma rave. – Mas essa era uma escala diferente. Muito grande e violenta.

    – Raves sempre são violentas. – Darius disse. – Essa é a natureza de uma rave.

Abri minha boca para discordar, mas pensei melhor. Depois de tudo, como eu só tinha visto uma única rave, ele definitivamente saberia melhor do que eu se a sede de sangue fosse incomum.

   – O que não é típico. – ele continuou. – É um membro da equipe oficial da Casa sendo utilizado para tais atividades.

    – Infiltração foi a nossa única opção. – Ethan falou.

   O rosto de Darius irradiava descrença e seu tom foi impassível. – Sua única opção?

   Ethan pigarreou. – Seth Tate nos informou que uma testemunha tinha visto o suposto assassinato de três humanos por vampiros. Ele tinha, em mãos, um mandado de prisão para mim, e que pretendia executar o mandado se nós não resolvêssemos o problema em uma semana. A oportunidade para investigar apareceu e nós a pegamos.

     Ele executou o mandato?

     – Ainda não, mas ele…

   – Então você tinha opções. – Darius disse, em um tom que não admitia argumentações, nos lembrando de que Ethan era o mestre da Casa, mas Darius era o mestre de todas as Casa. Então ele dirigiu seu olhar frio e azul para mim.

     – Você é a Sentinela.

     – Eu sou Sire.

     – Particularmente você parece uma bagunça.

     Eu tive que me segurar para tentar não alisar meu cabelo e minha blusa amassada. Eu dormir com essa roupa, e mesmo eu tendo me limpado um pouco  na Casa de Grey, eu tinha certeza que ainda parecia muito ruim. Por outro lado, eu parecia horrível porque eu estava trabalhando, não porque me faltava habilidades básicas de higiene.

     – Eu estava em uma missão, Sire.

   – Claro que estava. – Darius murmurou. – E só agora você está retornando para a Casa? Você atravessou Chicago desse jeito?

     Eu esperei dando a Ethan a chance de me dizer alguma silenciosa sugestão para me dizer o que eu poderia ou não dizer a Darius, mesmo tendo entregue quase tudo. Quando ele permaneceu em silêncio, assumi que isso era permissão  o bastante e disse a verdade e nada mais.

     – Já era tarde, Sire. Estava perto do amanhecer.

   Com o cigarro entre os dedos, Darius molhou seus lábios, e lentamente voltou seu olhar para Ethan.

     – Agora é à hora para se alcançar a imagem pública perfeita, para moldá-la e adoçá-la, e não para andar descabelada e amassada por toda a cidade como se fosse uma garota festeira.

    O insulto foi duro. Ethan se mexeu em sua cadeira. – Ela é um soldado. Mesmo o seu campo de batalha não sendo comum não o faz menos do que qualquer outro campo de batalha, nem faz o seu uniforme menos do que um uniforme usual.

    Eu apreciei que ele tomou partido por mim, que se posicionou para o que ele acreditava que era meu “mero” status como um soldado da Casa. E, honestamente, que maior serviço honrável tinha lá? Tomar decisões a partir de continente de distancia usando uma camisa desamassada, fumando cigarros de uma caixa de prata?

    Levantei meu queixo e encontrei o olhar de Darius. – Eu sou um soldado. –  eu confirmei. – E eu não tenho nenhum problema com isso.

     Suas sobrancelhas levantaram com interesse. – E você retornou de uma batalha.

     – É uma maneira de dizer.

   Darius encostou-se na cadeira novamente. – Você disse que os eventos dessa noite, o que quer que eles fossem, foram excepcionalmente violentos. – ele soltou outro sopro, e uma suspeita em sua cara. – Você já esteve em outra rave? Você tem uma base para ser comparada?

   – Eu não tenho. – admiti. – A comparação está baseada nas informações de outras fontes, e de um lugar que visitei depois do fato. Nossa inteligência diz que as raves em Chicago são poucas e distantes entre si, e esta, talvez para evitar o risco de detecção. – elas eram muito intimas. Alguns poucos vampiros no máximo. E não foi isso que vimos na noite passada.

   – Embora eu discorde das suas conclusões, não é um péssimo relatório – ele se virou para Ethan – Posso ver porque você gosta dela, Ethan.

     – Ela é mais do que capaz. – Ethan concordou. – Mas eu assumo que uma atualização sobre o trabalho da Sentinela não é, o quê fez cruzar o rio.

     Darius inclinou-se a frente e colocou o resto do cigarro no cinzeiro. – Os negócios em Chicago estão, como você sabe, expandindo. Metamorfos, Rogues. O ataque contra sua Casa.

    Ethan cruzou uma perna sobre a outra. – Como você pode ver, essas coisas estão sendo cuidadas.

    – Essas coisas pedem uma decisão mais organizada e um controle político das Casas de Illinois. Quando Celina foi removida, você se tornou o mestre com maior status de Chicago, Ethan. É da sua responsabilidade, e seu dever para com o Presídio manter a estabilidade em seu domínio.

    – E ele conseguiria. – pensei. –  Se você conseguisse manter Celina na Inglaterra, onde ela pertence.

     – O que você quis dizer com isso? –  Ethan perguntou.

    – Isso significa que há uma oportunidade, significativa que a Casa Cadogan seja colocada sobre uma sindicância judicial pelo Presídio até que Chicago esteja sob controle.

    Eu não precisava saber detalhes de uma “sindicância” para obter uma ideia geral, o GP estava ameaçando assumir o controle da Casa.

    A sala ficou em silêncio, assim como Ethan. O único sinal que ele tinha escutado as ameaças de Darius, foi a linha indicando preocupação entre os olhos…”

(Traduzido por fãs) AFTER DARK.

HARD BITTEN – Ou, Mordida difícil – Merit, fora salva de ser morta do um ataque de um vampiro por Ethan Sullivam, o Vampiro Mestre da Casa Cadogan, e transformada em sua Sentinela. Ela agora terá que enfrentar junto a outros vampiros, os protestos e a revolta dos humanos contra a existência deles. Graças ao ataque de alguns metamorfos que fizeram a sua Casa, deixando os humanos receosos de sua segurança. Então, agora, eles querem que os vampiros deixem Chicago, de vez.

E, para melhorar a situação, em uma suposta  festa clandestina de vampiros, um grupo de humanos fora cruelmente atacado e mortos. Isso  foi suficiente para o prefeito Tate ameaçar Sullivan em colocá-lo atrás das grades, caso não encontre os culpados e acabe de vez com as proibidas raves.

Esses eventos negativos, atraiu a atenção do chefe do Presídio dos vampiros. Darius. Que chega de Londres e encontra a mídia trazendo a baila uma imagem negativa dos vampiros de Chicago. Brigas dos vampiros com os metamorfos, as raves dos Rogues e os  ataques hostis dos vampiros a humanos…  Isso foi o suficiente para ele  ameaçar de uma “sindicancia” para supervisionar e por ordem na Casa Cadogan. Que servira também de exemplo para  as outras Casas de Chicago.

Juntando-se a aliados, Merit não vai deixar Ethan sucumbir à desgraça sozinho. Ela investiga para tentar  descobrir quem está por trás de toda essa trama, e acaba seguindo algumas pistas: Drogas; uma mulher chamada Marie; um homem suspeito…

Apesar de estar em um período de tensão com Ethan, ela fará de um  tudo para protegê-lo, ariscando sua própria vida se for preciso. Porém, quando ela encontra o verdadeiro culpado, ele a surpreende com um terrível segredo… A magoa de saber que Sullivan escondia dela algo sobre seu passado, a deixa temporariamente abalada, pondo-se em risco. E a falta de confiança, impedirá que ela faça o seu trabalho, que entre outras coisas, o seu dever, de manter vivo Ethan Sullivan…

QUER SABER MAIS? ACESSE: http://www.chloeneill.com/

DEIXE SEU COMENTÁRIO. GOSTOU? 

Volte sempre a,

VAMPIT. 

jugloxinia@uol.com.br

J. P. Santos, agradece.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s