ANITA BLAKE – 8,5 CONTO – STRANGE CANDY

DE: LAURELL K. HAMILTON

8,5° conto - A garota enfeitiçada

    “… Ele disse alguma coisa e eu não podia ouvi-lo sobre a batida da música. Eu balancei a cabeça e ele deu um passo mais perto, perto o bastante que o vermelho de sua camisa preencheu a minha visão, mas era melhor do que encarar aquele olhar penetrante. Ele se inclinou sobre mim e eu o senti como uma linha de calor, perto o suficiente para beijar, perto o bastante para tantas coisas. Eu já estava grudada na parede; não havia outro lugar para ir.

     Ele teve que trazer sua boca para  perto do meu rosto, uma parte do seu longo cabelo se movendo contra a minha boca, enquanto ele dizia:

     – Ma petite, faz um longo tempo. – Sua voz, mesmo sobre o barulho, acariciava minha pele como se me tocasse. Ele podia fazer coisas com sua voz que muitos homens não podiam fazer com suas mãos.

     Eu podia sentir o cheiro da sua colônia, picante, exótica, um toque de almíscar. Eu podia quase sentir até o sabor da sua pele na minha língua.  Levou duas tentativas para  que eu conseguisse dizer:

     – Não tanto tempo assim.

  Ele recostou seu rosto contra o meu cabelo, muito delicadamente.

    – Você esta feliz em me ver, ma petite, posso sentir o seu coração agitado.

    – Estou aqui a trabalho. – Eu disse, mas minha voz estava ofegante. Eu geralmente era melhor do que isso perto  dele, mas três meses de celibato, três meses de nada e estar perto dele fica pior. Droga, porque tinha que ficar pior?

     – É claro que você está.

   Eu tive o bastante. Eu coloquei uma mão naquele peito coberto de cetim e empurrei. Vampiros podiam fazer flexões com pequenos caminhões, por isso ele não precisava ter deixado empurrá-lo, mas ele deixou. Ele me deu espaço, e então moveu sua boca, como que se ele tivesse falado alguma coisa, mas eu não podia ouvi-lo sobre a música e o barulho da multidão.

     Eu balancei minha cabeça e suspirei. Nós teríamos que ir para o escritório para que eu pudesse ouvi-lo.

     Ficar sozinha com ele não era a melhor ideia, mas eu queria encontrar Amy Mackenzie e o vampiro que ela iria levar a morte. Eu abri a porta sem olhar para ele. O fotografo tirou fotos enquanto nós entravamos pela porta. Ele devia estar tirando fotos quando Jean- Claude praticamente  me prensou na parede. Eu apenas não tinha notado…”

A GAROTA ENFEITIÇADA PELA MORTE – Anita Blake, executora de vampiros e levantadora de mortos-vivos. Os zumbis.

Depois de alguns meses, afastada de seus amantes, Anita teve que recorrer ao mais sedutor de todos os seus namorados, o vampiro Jean-Claude, para que ele a ajudasse a descobrir quem é o vampiro que esta sendo caçado pela família de sua namorada, por  suspeita de que ele vá transformá-la também em um vampiro.

O trabalho dela é simples, identificar o vampiro suspeito e evitar uma tragédia, a da execução dele mesmo, se transformar a menina antes de completar dezoito anos.  Mas o que ela não contava era ter que lutar contra o seu pior inimigo:

O desejo.

QUER SABER MAIS? ACESSE: www.anitablake.com

Volte sempre a,

VAMPIT.

J. P. Santos, agradece.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com.

Contato:

 jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE SEU COMENTÁRIO.

ANITA BLAKE – 16° LIVRO – BLOOD NOIR

DE: LAURELL K. HAMILTON

     “… – Eu sei. Você não me ama do jeito que você ama Nathaniel ou qualquer outra pessoa. Mas você realmente se importa comigo, não  é?

     Eu olhei para aquele rosto. Um cara que tinha sido meu amigo há anos, e mais do que apenas um amigo por cerca de um ano. Eu disse que a única coisa que eu poderia dizer:  – Sim.

     Nós chamamos Jean-Claude enquanto ainda era noite, por isso, poderia dizer-lhe que o seu Pomme de Cantar, Jason, e seu Servo Humano, eu, havia planejado. Eu pensei que ele poderia dizer-me que era uma coisa estúpida de fazer, e dizer-nos não. Ele era o chefe de Jason e o Mestre, e tecnicamente ele era meu Mestre. Embora honestamente, eu não o deixei puxar o cartão de Mestre para mim, muitas vezes.

     Jason disse-lhe, e em seguida passou o telefone de cabeceira para mim.

     – Ele quer falar com você.

    Jason levantou-se acolchoado para o banheiro. Nathaniel ficou onde estava ao meu lado.

     – Ei, Jean-Claude.

     – Ma petite, estou surpreso que você concorda com isso.

     – Eu também.

     Ele riu, aquele riso maravilhoso, palpável. Isso me fez tremer e não era de medo. Nathaniel aconchegou mais perto de mim, como se tivesse sentindo o gosto dele.

     – Obrigado por cuidar de Jason de uma maneira que eu não posso.

     – Então, você não vai  tentar nos impedir de fazer isso?

     – Você gostaria?

     Eu percebi que sim, eu queria. Agora que eu disse sim, eu estava me sentindo estranha sobre isso, e ainda mais tola.

     – Vou ser tipo, inábil.

    – Vai ser difícil para você. Você será o seu único apoio emocional em uma situação muito traumática.

     – Você parece falar como um terapeuta , Jean-Claude.

     – O que você quer dizer?

     – O que você está realmente pensando?

     Ele deu aquele riso novamente, e meu escudo caiu o suficiente para que eu soubesse que ele estava sentado em sua cama usando nada mas que os lençóis de seda. Eu tenho um vislumbre do que o cabelo ondulado preto sobre o branco perfeito dos ombros. Fechei os escudos para baixo antes que eu pudesse ver, literalmente, o azul-escuro de seus olhos.

     Eu tomei uma respiração profunda, e contei lentamente enquanto expirava. Se eu não fosse cuidadosa o vínculo entre ele e eu podia distrair-me, muito.

      – O que você está pensando, Ma petite?

      – Em você, e não tente. Onde está Asher?

      – Ele está atrasado, mas ele vai estar aqui.

     – Jason quer sair de manhã. Quem é que vai te alimentar enquanto estivermos fora?

     – Há sempre dispostos doadores de sangue, Ma petite.

     Eu não gostei do jeito que ele disse isso. O surto de um pequeno ciúme veio e eu combati, até a morte, antes que pudesse soar em minha voz.

     – Não coma nada que eu não concorde com você.

     – Você está com inveja, Ma petite?

     – Talvez.

     – Eu também.

     – O que você quer dizer?

   – Você estará indo para casa para conhecer a família de Jason. Você estará fazendo algo muito comum, muito humano, que será sempre negado para mim.

     – Eu não entendo.

    – Minha família morreu muito antes de você nascer, Ma petite. Eu não posso apresentar a minha mãe para você, ou a  minha irmã. Eu não posso dar-lhe a experiência muito normal de ver de onde eu vim, e quem é a minha gente.

    – Eu me encontrei com a cabeça de sua linhagem, Jean-Claude. Acho que Belle Morte é o seu povo.

   – Não, Ma petite, ela é meu Mestre, ou era, mas ela nunca foi da família. Ela foi amante e deusa, mas isso não é a mesma coisa.

     – Você está com ciúmes de Jason, por que sua família está viva e ele vai me levar para sua casa.

    – Oui.

    Fiquei ali com o telefone ao ouvido, e só pensava nisso.

     – Eu nunca pensei que seria importante para você.

   – Eu não me arrependo do que eu sou, Ma petite, mas eu me arrependo um pouco do que eu não tenho. Eu daria tudo para você conhecer minha mãe e minha irmã.

   – Não o pai, – eu disse.

  – Ele morreu quando eu era muito jovem. Eu não tenho muitas lembranças dele.

     Mais uma vez, algo que eu não tinha conhecimento. Hoje foi apenas cheio de novas descobertas sobre as pessoas que eu pensei que conhecia intimamente.

    – Você está chateado por eu não te levar para casa, para conhecer minha família?

     Ele fez um pequeno som. – Não, eu … –  Ele riu, mas não era sexy, mais rir de si mesmo. – Eu acho que… eu posso estar. Talvez eu sinta que você não me ache bom o suficiente.

     – Acho que minha avó Blake iria persegui-lo para fora da casa com um crucifixo e água benta, é o que eu penso.

     – Ela é uma mulher devota?

   – Fanática. Fui informada que ela está orando pela minha alma por causa de você.

     – Tenho lhe alienado de sua família, Ma petite?

   – Não, eu já estava distante, se é assim que você quer colocá-lo. Digamos que a vovó Blake já estava orando para mim a coisa toda de levantar-zumbis-do-túmulo. O meu sono com os mortos-vivos é apenas outro sintoma da minha condenação.

     – Sinto muito, Ma petite, eu não sabia.

     Dei de ombros, sabia que não podia vê-lo, e disse:  – Está tudo bem.

    – Então você vai com o nosso Jason e conhecer sua família, ser sua namorada.

      – Você está com ciúmes.

      – Minha voz estava vazia de emoção, –  disse ele.

     – Sim, e quando sua voz soa mais vazia, você está escondendo algo. Você sabe que não deve ter  ciúmes de Jason.

     – Eu não estou com ciúmes do jeito que você quer dizer.

     – Então explique.

     Nathaniel tinha encostado mais, ao meu lado, ouvindo.

   – Você ainda não tem trinta e ele é vinte e três. Vocês dois são tão jovens, Ma petite. Você vai para longe em sua terra natal e são muito jovem juntos. É algo que eu não posso estar com você. Eu não posso ser jovem e ingênuo e incerto.

    – Você não seria você se fosse qualquer dessas coisas. Eu te amo do jeito que é, Jean-Claude.

     – Eu gostei disso. Acha  que eu precisava ouvir isso, Ma petite?

    – Sim, –  eu disse.

    Ele riu novamente, e me fez tremer mais perto de Nathaniel.

    – Eu me sinto estranhamente em conflito. Jason é o meu Pomme de Cantar, e é precioso para mim. Você é meu Servo Humano e cuida dele de modo que é uma coisa linda. Isso fará com que os outros vampiros pensem em mim como um senhor muito gentil, mas eu sei que você faz porque você se importa com ele. Ele é jovem e bonito e charmoso.

     – Você não pode ser inseguro.

    – Por que não posso ser?

    – Porque você é lindo e maravilhoso na cama, e eu te amo.

    – Mas Jason pode ser uma coisa para você que eu não posso, Ma petite.

    – O que seria isso?

   – Mortal. Ele pode envolvê-la na juventude da sua vida. Ele pode lhe oferecer a bagunça da sua família. Ele pode mostrar-lhe onde ele cresceu, apresentá-la às pessoas que o conheciam quando criança. Todos aqueles a quem eu posso apresentá-la me conheciam como um vampiro, não como um mortal.

    – Eu acho que esse é seu problema, Jean-Claude, não meu. Eu não estou realmente ansioso para viajar para baixo na nostalgia com Jason e seu pai abusivo.

     – Eu sinto que você quis dizer isso, mas eu me acho numa estranha inveja. Eu não tinha pensado em minha família dessa forma há muito tempo.

      – Está com um som de saudade.

     – Suponho que é uma boa palavra como qualquer outro.-  Ele parecia triste.

     – Você precisa de nós  hoje à noite?

    – Para quê? Você não iria chegar muito antes do amanhecer, e sairia antes que eu acorde para o dia.

    – Eu me sinto como você precisa de um beijo de adeus, eu acho.

   – Obrigado pelo sentimento, Ma petite, mas vou trabalhar, como você disse, são os meus problemas. Você, eu acho, terá suas mãos em trabalho completo sobre Jason.

     O que eu poderia dizer sobre isso?

     – Sim, – eu disse.

     – Je t’aime, ma petite.

     – Eu também te amo, –  eu disse.

     Acho que era tudo, o que mais havia a dizer?…”

(Traduzido por fãs)

BLOOD NOIR – Ou, Sangue de Noir – Anita Blake, uma delegada federal executora de vampiros e levantadora de zumbis é a namorada e Serva Humana do Vampiro Mestre da Cidade, Jean-Claude. Ela está às voltas com Jason, o lobisomem, Pomme de Cantar de Jean-Claude, o seu doador de sangue. Ela se ofereceu para acompanhá-lo, como sua namorada, a voltar para casa. Para ver o pai que está à beira da morte. Porém o medo de enfrentar uma viagem de avião não estará na lista dos momentos mais terríveis que terá que enfrentar junto a ele.

Anita terá que enfrentar o pai de Jason e fazê-lo compreender o quanto magoado ele é capaz de deixar seu filho por puro preconceito. Encarar a cobiça das ex-amantes de Jason e reavaliar seus sentimentos por ele. Seria só amizade?

Marmee Noir é a Mãe de todos os vampiros. A mais antiga vampiro do mundo. O primeiro vampiro que transmitiu o vírus e criou todos os outros. Ela é poderosa, e está “adormecida” por mais de mil anos. Mas em seus sonhos, ela aterroriza, os outros vampiros.  E em um de seus sonhos ela colocou um pedaço de seu animal para chamar dentro de Anita. Porque? Ela quer Anita como seu Servo Humano… Ao tentar fazer mais uma marca em Anita acaba levantando o ardeus e provocando o seu maior medo. Não conseguir controlar seu poder, que a leva a seduzir mais homens para sua vida.

Jason confundido com um primo distante, será alvo de um vampiro mestre enciumado, e sua vida correrá perigo. Será se Anita conseguirá  salvá-lo?

DEIXE SEU COMENTÁRIO. GOSTOU?

QUER SABER MAIS? ACESSE: www.anitablake.com

Volte sempre a,

VAMPIT. 

J. P. Santos, agradece.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com.

Contato:

 jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE SEU COMENTÁRIO.

ANITA BLAKE -15° LIVRO – THE HARLEQUIN

DE: LAURELL K. HAMILTON

   “– Você recebeu um presente? – Réquiem perguntou.

     – Oui!

     – Que tipo de presente? –  Byron perguntou.

     – A máscara –  disse Jean-Claude.

   Byron empalideceu, ele tinha se alimentado à noite, por isso, ele teve bastante cor para fazê-lo.

     – Não, não… Foda-me! Não aqui, de novo não!

   – De que cor era? – Réquiem disse, em uma voz que tinha caído para o vazio, a forma como alguns dos vampiros de idade poderia fazer.

      – Branca –  disse Jean-Claude.

  Byron relaxou, assim de repente, ele quase caiu. Nathaniel ofereceu-lhe uma mão que ele tomou.

     – Eu estou weakkneed (arrasado), patinhos. Não me assuste assim. Branco! Estamos seguros com o branco.

      Nathaniel ajudou a voltar para o sofá, mas não permaneceu com ele. Voltou para nós.

    – Qual foi a cor que o seu mestre na Inglaterra começou? – eu perguntei.

     – Vermelho, primeiro, depois preto – Réquiem disse.

     – O que significa vermelho? – eu perguntei.

   – Dor – disse Jean-Claude.  – Normalmente, é uma tentativa de punir um mestre, para trazê-lo ao calcanhar. O conselho não usa o Arlequim para ânimo leve.

     O nome caiu para o quarto como uma pedra que caiu num poço. Você se esforça para ouvir o splash…”

(Traduzido por fãs) Traduzido por: Maria Steffen. (tradução mecânica)

THE HARLEQUIN – Ou, O Arlequim – Anita vai a um encontro romântico com Natanael, mas alguma coisa sai dos trilhos, quando ela recebe um presente em um banheiro público. Uma máscara. Branca. Sinal de grandes problemas. Alguém está mexendo com sua cabeça, aumentando seus desejos, confundindo seus sentimentos. Anita e Jean-Claude estão sendo observados por poderosos vampiros, que só aparecem quando solicitados para dizimar. Eles são conhecidos por: Os Harlequin.

QUER SABER MAIS? ACESSE: www.anitablake.com

Contato:

 jugloxinia@uol.com.br

ANITA BLAKE -14° LIVRO – DANÇA MACABRA

DE: LAURELL K. HAMILTON

    “… Nós nos beijamos e nossos braços pareciam deslizar automaticamente em torno um do outro, para pressionar os nossos corpos tão próximos como nós poderíamos com roupas. Ele me afetou assim quase desde o momento que tínhamos visto um ao outro. Luxúria a primeira vista. Eles dizem que não dura, mas nós estamos há seis meses e contando.

     Eu derreti contra o seu corpo e beijei-o intensamente, profundamente. Em parte, era o que eu sempre queria fazer, quando eu o via. Em parte eu estava com medo, e tocando e sendo tocada faziam me sentir melhor. Não muito tempo atrás eu teria sido mais discreta na frente de companhia, mais meus nervos apenas não estavam bons o suficiente hoje para fingir.

     Ele não se sentiu envergonhado, ou me disse: – Não na frente de Ronnie, – o que Richard teria feito. Ele me beijou de volta com o mesmo afogamento intenso. Suas mãos me segurando como se ele nunca me deixaria ir. Nós recuamos ofegantes e rindo.

     – Isso foi para o meu benefício? – Ronnie perguntou, e sua voz não estava feliz.

     Virei-me ainda nos braços de Micah. Olhei para os olhos irritados dela e de repente estava pronta para ficar com raiva de novo. – Nem tudo é sobre você, Ronnie.

     – Você está me dizendo que o beija assim todas as vezes que ele chega em casa? – A raiva retrocedeu, e ela usou isso. – Ele esteve fora, o que, uma hora? Eu vi você cumprimentá-lo após um dia de trabalho, e nunca foi assim.

     – Como o que? – Eu perguntei, a voz deslizando para baixo. Se ela quisesse lutar, poderíamos lutar.

     – Como se ele fosse ar e você não conseguisse respirar ele rápido suficiente.

      A voz de Micah era suave, apaziguadora, tentando falar-nos para baixo. – Nós interrompemos algo?

     Virei-me para o rosto de Ronnie. – Eu estou autorizada a beijar o meu namorado do jeito que eu quiser beijá-lo sem pedir sua permissão, Ronnie.

     – Não tente me dizer que você não está esfregando isso na minha cara, agora mesmo, com o show.

     – Vai fazer terapia, Ronnie, porque eu estou malditamente cansada de suas questões chovendo em cima de mim.

      – Eu confiei em você. – disse ela , a voz estrangulada com a emoção que eu não entendi, – e você fez um show como esse na minha frente, como você pode?

     – Oh, isso não foi um show, – Nathaniel disse apenas de dentro da porta, – mas se é um show que você quer, podemos fazer isso também. – ele deslizou para a cozinha nas bolas de seus pés, mostrando tanto as graças de sua formação em dança como a graça sobrenatural de wereleopardo. ele puxou a parte superior de sua tank top fora em um gesto suave e deixou-a cair no chão.

     Eu realmente apoiei por um passo antes que eu entendi. Eu não havia percebido até aquele momento que ele estava irritado com Ronnie. Quais pequenas observações mordazes que ela tinha feito para ele, que eu não tinha ouvido? Quando ele me disse que ela não o via como real, ele estava tentando dizer-me mais do que eu tinha ouvido. Que eu tinha falhado em algo grande estava lá em seus olhos irritados.

     Ele arrancou o laço de seu rabo de cavalo e deixou seu cabelo ruivo no comprimento do tornozelo cair em torno de seu corpo quase nu. Os shorts curtos de corrida simplesmente não cobrem muito.

     Eu tive tempo para dizer: – Nathaniel – e ele estava a minha frente. Essa energia do outro mundo que todos os licantropos podem emanar tremeu-lhe a pele e ao longo do meu corpo. Ele em 1,70 metros, apenas alto suficiente para eu ter que olhar para cima para encontrar seus olhos. Se ira virou-os de lavanda para uma cor mais escura de violetas, se as flores pudessem queimar com raiva e força de personalidade. Nathaniel estava em seus olhos e com aquele olhar ele me ousava, me desafiava, a recusá-lo.

     Eu não queria recusá-lo. Eu queria envolver seu corpo e esta energia rastejante da pele ao redor de mim  como um casaco. Ultimamente quase nenhum esforço parecia alimentar em sexo. Com medo? Sexo fazia me sentir melhor. Zangada? Sexo iria me acalmar. Triste? Sexo me faria feliz. Eu era viciada em sexo. Talvez. Mas Nathaniel não estava me oferecendo sexo real.Ele só queria tanta atenção como eu tinha dado a Micah. Pareceu-me justo.

     Fechei a distância entre nós com as minhas mãos,  minha boca, meu corpo. A energia de seu animal derramada em torno de nós como estar mergulhados em um banho morno que tinha uma carga elétrica suave. Ele tinha sido um dos menores dos meus leopardos até que um acidente metafísico levou-o de pomme de sang para meu animal de chamada. Eu era o primeiro servo humano de vampiro a ganhar habilidade vampira de chamar um animal. Todos os leopardos eram meus para chamar, mas Nathaniel era o meu animal de estimação especial. Nós ambos ganhamos a partir de uma união mágica, mas ele ganhou mais.

     Ele me levantou, usando apenas suas mãos nas minhas coxas. Mesmo através de meus jeans ele me fez saber que estava feliz por estar pressionado contra o meu corpo. Tão feliz que isso forçou um som de mim.

     A voz de Ronnie veio dura, feia, como se ela estivesse engasgada com sua raiva. – E quando o bebê chegar, você vai foder na frente dele também?

      Nathaniel congelou contra mim. A voz de Micah veio de trás.

     – Bebê?…”

(Traduzido por fãs) Revisão e Notas de Rodapé: Maga. Tradução, formotação final  e Arte: Poiesis (Marília).

DANSE MACABRE – Ou, “Dança Macabra”. – Jean-Claude, o Vampiro Mestre da Cidade de St. Louis, é o patrono da primeira e sempre morta companhia de dança, que em sua maior parte é de vampiros. Ele esta dando uma festança de boas vinda à cidade,  para promover o grupo de dança. E para conseguir que os dançarinos atravessem os territórios de outros Vampiros Mestres sem problemas, ele abriu uma negociação. Então é marcada uma reunião, a qual será a maior reunião de Mestres Vampiros na America. E ira aproveitar a ocasião para formar alianças fortes com novos aliados.

Mas foi Anita,  a Levantadora de Zumbis e Marechal Federal  Executora de Vampiros, que foi colocada como barganha. Por causa de sua necessidade ninfomaníaca, que adquiriu do poder de Jean-Claude quando fundiram o triunvirato entre ela, Jean-Claude e Richard, o  lobisomem. Ela precisa ser alimentada com sexo ou sangue, a todo instante. Para manter todos que estão ligados a ela, a salvo. O Ardeu.  Que a leva a se manter  em  atividade sexual  com quase todos os homens que passam em sua vida. Na esperança de obter mais poderes,  cada Mestre Vampiro trás consigo um candidato a ser seu Pomme de Sang, os quais Anita deverá escolher ou não, um.

Mas Anita está em crise existencial. Vivendo uma vida conturbada com a política intensa dos vampiros enquanto sua vida pessoal esta desmoronando.  Ela desconfia que possa estar grávida.  Mas, quem seria o pai? Agora com a possibilidade de uma gravidez ela entra em parafuso. Enquanto os futuros pais vibram com a possibilidade de terem um filho de Anita. Até fazem planos de como poderiam dividir as tarefas para cuidar do pequeno rebento, para que ela consiga manter o seu ritmo de vida. Anita pira. Será se ela conseguirá enfrentar esse desafio?

QUER SABER MAIS? ACESSE:  www.anitablake.c om

volte sempre a:

VAMPIT

J. P. Santos. Agradesce.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com

Contato:

jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

 

ANITA BLAKE – 13° LIVRO – MICAH

DE: LAURELL K. HAMILTOM

 

        “- Você realmente vai deixar que ela traga um civil em nosso caso?

      Fox olhou Franklin. Mesmo do banco traseiro não parecia amigável. “Sugiro, fortemente, que você deixe isso ir, agente Franklin”.

     – Jesus, o que é com ela? – Franklin disse. – Ela piscou, os grandes olhos castanhos e todo mundo olha para outro lado enquanto ela quebra uma dúzia de regras e curva a própria lei que estamos jurados a defender. –  Ele se virou no banco, tanto quanto o cinto de segurança iria deixar. – Como você faz isso?

     Fox disse: – Franklin, –  e a palavra era um aviso.

    – Não, Fox, está tudo certo. Se não tivermos resolvido isto, o agente Franklin e eu não vamos ser capazes de trabalhar juntos, vamos, agente Franklin? –  Minha voz não era amigável quando eu disse tudo isso. – Você quer saber como eu faço isso?

    – Sim, –  disse Franklin. – eu quero.

     – Eu sei como você acha que eu faço. Você acha que eu transo com todo mundo. Mas eu nunca conheci Fox, de modo que não pode ser isto. Então agora você está lutando, tentando descobrir isso.

     Ele fez uma careta para mim.

    – Quando você pensava que era apenas sexo, apenas uma mulher dormindo seu caminho através de sua carreira, você estava de bem com isso, mas agora, agora você simplesmente não consegue.

   – Não –  ele disse. – eu não consigo. Fox é o agente mais pelo-livro com quem eu já trabalhei, e ele está deixando você no carro com um civil. Isso não é como ele é.

     – Eu conheço o civil. –  disse Fox. –  Isso faz uma diferença.

     – Ele foi vítima de um crime violento. Então o quê? Você sabia quem ele é há quanto tempo?

     – Nove anos disse Fox numa voz suave, seus olhos escuros sobre o tráfego, mãos cuidadosas no volante.

     – Você não sabe o tipo de pessoa que ele é agora. Nove anos é muito tempo. Ele devia ser um adolescente então.

     – Ele tinha dezoito anos. – disse a voz cuidadosa de Fox.

     – Você não o conhece agora. Ele poderia ser um cara mau para todos que você conhece.

     Fox olhou no espelho retrovisor. – Você é um cara mau, Micah?

     -Não, senhor. –  disse Micah.

     – É isso? –  Franklin disse, e parecia que ele estava indo ficar em histeria ou ter um derrame. – Você lhe pergunta se ele é um cara ruim, e ele diz que não, e isso é bom o suficiente?

     – Eu vi o que ele sobreviveu, você não. Ele respondeu ás minhas perguntas, quando a sua voz era apenas uma grosa rouca porque o assassino tinha agarrado a garganta dele. Eu trabalhei para a Pesquisa de Apoio por cinco anos e o que foi feito para ele é ainda uma das piores coisas que eu já vi. –  Ele teve que pisar no freio para não bater na fila súbita de tráfego em frente de nós. Todos nós ficamos muito bem familiarizados com nossos cintos de segurança e, em seguida, ele continuou. – Ele não precisa provar nada para você, Franklin, e ele já provou tudo o que ele precisava provar para mim. Você vai deixar em paz ele e Marshal Blake.

     – Mas você não quer mesmo saber porque ele está aqui? O porque ela trouxe ele? Este é um processo em curso. Ele poderia ser um repórter por tudo o que você conhece.

     Fox soltou um suspiro longo e alto. – Vou deixá-los responder a essa pergunta uma vez, apenas uma vez, e então você deixa pra lá, Franklin. Deixa pra lá antes de eu começar a ter mais simpatia com Bradford porque você teve que ser transferido.

     O que parou Franklin por um segundo ou dois. O tráfego começou a rastejar para a frente. Nós parecíamos ter pego o tráfego da hora de ponta. Pensei a princípio que a ameaça iria fazê-lo desistir, mas Franklin era feito de mais estofo do que isso.

     – Se ele não é um animador ou um executor de vampiro, então com o que ele vai ajudar, Marecha Blake? Ele quase conseguiu manter o sarcasmo fora do “Marshal Blake.”

     Eu estava cansada de Franklin, e eu não sou tão boa em mentir. Eu tive menos de duas horas de sono e tive que voar num avião. Então eu disse a verdade, a verdade absoluta.

     – Quando você precisa ter relações sexuais três ou quatro vezes por dia, é apenas mais que conveniente trazer seu amante com você, você não acha, agente Franklin? –  Eu dei-lhe uns grandes, inocentes olhos .

     Ele me deu um olhar azedo. Fox riu.

     – Muito engraçado, –  disse Franklin, mas ele se acomodou em sua cadeira e ele nos deixou sozinhos. A verdade não pode libertá-lo, mas usada com cuidado, pode confundir um inferno seus inimigos.”

(Traduzido por fãs).Livros de Sobrenatural Contigo.. Tradução: Poiesis. Revisão: Maga. Formatação: Poiesis

MICAH – Anita Blake , Marshal executora de vampiros , levantadora de zumbis. Nunca em sua vida pensou estar envolvida com um homem como estava com o seu namorado Micah. O Nimir-Raj do seu povo Leopardoman. O que fazia de Anita sua Nimir-Ra o equivalente a rainha Leopardo, mesmo que ela ainda fosse humana. Micah era dos seus amantes o mais perfeito. Era um dos seus refúgios. Seus braços, seu corpo, seu sorriso. Sua calma  sua aceitação  a violência e tudo mais. Tudo que precisava que ser, ele seria. Mas, nunca tinham estado sozinhos. E bastou tê-lo feito por um tempo para se vê em pânico. Estava com medo  que  Micah e ela não iriam funciona se não tivesse alguém para equilibrar as coisas.  E ela não queria isso… ela não queria que Micah simplesmente, fosse embora.

QUER SABER MAIS? ACESSE:  www.anitablake.com

volte sempre a:

VAMPIT

J. P. Santos. Agradesce.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com

Contato:

jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE O SEU COMENTÁRIO.

ANITA BLAKE – 12° LIVRO – INCUBUS DREAMS

DE: LORELL  K. HAMILTON

 

     “…Eu estava na cozinha comendo biscoitos com manteiga e mel slathered tudo sobre eles. Os biscoitos eram bons, mas o show foi de Gregory. Ele ainda estava em forma leopardman, mas ele estava comendo biscoitos. Você já assistiu alguém comer pão com dentes que são projetados para arrancar a garganta de gazelas? Foi interessante. Se ele tivesse colocado o biscoito inteiro na boca, de uma vez teria sido bom, mas não o fez. Ele comeu o pão em pedaços com manteiga gotejando  geléia de groselha vermelha, delicadamente. Só que suas mandíbulas não foram feitas para o delicado, por isso a sua pele foi manchada com geléia, e teve que lambê-la com uma língua incrivelmente longa. Foi perturbador, perturbador, e vagamente fascinante. Como uma combinação de Animal Planet e Food Network.

     Foi bom que eu tivesse algo para me divertir, porque Nathaniel estava muito chateado. Eu sabia que ele poderia ficar chateado com a minha marcação em Micah no pescoço, quando ele praticamente implorou para que eu fizesse nele, e eu recusei, mas eu não tive nenhum indício de como a virada seria real . Ele foi batendo as coisas na cozinha. A porta do armário não bastava fechar, ele bateu. Abrindo o frigorífico era um coro de bangs, tapas, e assim por diante. . . Eu nem sabia que os recipientes plásticos de comida poderia fazer tanto barulho.

     Enquanto estava  batendo as coisas ao redor, ele ia concordando com tudo que Gregory dizia, mas pelo seu tom de voz parecia que ele estava lutando.

      – Tem publicidade para fazer um leopardo para esta noite, se não podem me ter, é você. –  disse Gregory, então lambeu com uma  língua rosa todo o caminho em torno de sua boca.

     – Tudo bem, não é como se eu fosse estar fazendo alguma coisa hoje à noite.

      De alguma forma, eu pensei que esse último foi dirigido a mim. Micah estava me dando o olhar, aquele que disse tão claramente como se ele tivesse falado, corrigir isso. Por que era sempre eu que tinha que corrigir isso? Porque eu era geralmente aquele que estragaram tudo, em primeiro lugar. Oh, esse era o motivo.

      Meus dentes eram marcas impressas no pescoço Micah. As marcas tinham sido manchada com Neosporin, mas ele não tinha enfaixado. Bom para ele e para mim. Eu tinha parado antes de eu feri-lo muito mal. Era sangue na verdade menos do que a primeira e única vez que eu me deixar marca Nathaniel. Ela tinha sido quando o ardeur era novo e eu ainda estava tentando encontrar maneiras de alimentá-lo que não envolvem a relação sexual. Tonta, eu.

     A gota d’água foi quando ele pegou o prato de manteiga fora da mesa, antes que todo mundo tivesse terminado com ele. Gregory pegou para ele, e as garras estavam erradas para a China agarrando. A placa caiu e quebrou tudo no chão. A manteiga deslizou pelo chão numa longa linha amarela, como uma pista de caracol realmente desagradável. Eu pensei dizer alguma coisa, provavelmente não iria ajudar, mas logo depois o telefone tocou.

     – Que alguém atenda, –  disse Nathaniel do chão onde ele estava limpando a bagunça. –  estou um pouco ocupado.

     Micah apenas tomou seu café da manhã, acho que porque ele estava chateado comigo por não dizer alguma coisa para ajudar Nathaniel se sentir melhor. O problema era que eu não sabia o que dizer. Então, eu atendi o telefone…”

(Traduzido por fãs)

INCUBUS DREAMS – Ou, “Sonhos incubus” – Anita a macromante levantadora de zumbis e caçadora de vampiros,  ela também é uma servo-humana de Jean-Claude, o vampiro mestre da cidade, e Nimir-Ra, a primeira humana rainha leopardo de Micah, o licantropo leopardo. Sem falar que é a Balverk de seu ex-noivo o Richard o Ulfric dos lobisomens.

 Os assassinatos de varias stripper da boate Sonhos Incubus, levam Anita a uma caçada de um perigoso vampiro Serial killer. E à descoberta da criação de novos  vampiros sem mestres por Malcolm, o pastor da Igreja da Vida Eterna. Um novo triunvirato entre Anita o vampiro Damian, que por acidente se tornou seu servo, e  do  stripper Nathaniel, homem-leopardo  que ela levou para sua casa e tomou-o como seu protegido. Trás mais poder a todos ligados a ela. E muito mais necessidade de controlar seu desejo ninfomaníaco. Fazendo-a  ter que compartilhar suas necessidades com mais homens em sua cama.

QUER SABER MAIS? ACESSE:  www.anitablake.com

J. P. Santos. https://vampitdivulgalivros.wordpress.com

ANITA BLAKE – 11° LIVRO – CERULEAN SINS

DE: LAURELL K. HAMILTON

 

      “…- Eu tenho que ir, Anita. –  Ele tocou o meu ombro, tentei me mover para fora do caminho para que ele pudesse abrir a porta.

      Eu balancei minha cabeça.

     – Não.

      Ele franziu o cenho para mim. – Ma cherie, você não me ama, não verdadeiramente. Se você não me ama, e você não me quer, então você deve me deixar ir.

      – Eu te amo, eu te quero.

      – Você me ama como amigo, você me quer, mas você quer muitos homens, mas ainda assim você não se dá a eles. Eu tenho toda a eternidade, mas minha paciência não é boa o suficiente para esperar por você, ma cherie. Você derrotou-me, teria tentado seduzi-la, mas… – Mais uma vez ele quase tocou a lado com cicatrizes de seu rosto, mas sua mão caiu, como se ele não ousaria tocar a si mesmo. – Eu vi os homens que têm virado para baixo. Tais perfeição, e você vai embora sem um remorso. –  Ele franziu a testa como se ele não entendia, mas sabia que isso era verdade. – O que eu poderia oferecer que outro não poderia?

      Ele colocou as mãos no meu ombro e gentilmente tentou mover-me para fora do caminho. Eu pressionei minhas costas na ombreira, a minha mão na maçaneta da porta.

      – Não. – Era tudo que eu conseguia pensar para dizer.

      – Sim ma cherie, sim. Já é tempo.

      Eu balancei minha cabeça.

     – Não.

     Eu pressionei minhas costas para a porta com tanta força que eu sabia que estaria ferida de manhã. Eu não podia deixá-lo ir. Eu sabia que de alguma forma que se ele abrisse a porta, não teríamos outra chance.

      Orei por palavras. Rezei para ser capaz de falar o meu coração e não ter medo.

     – Eu deixei Richard ir de mim. Eu acho que ele teria ido de qualquer maneira, mas eu sentei no chão e viu-o ir. Eu não fiquei no seu caminho. Achei que era a sua escolha.  Não se pode prender alguém que não deseja ser abraçado. Se alguém quer realmente ser livre de você, você tem que deixá-lo ir. Bem, foda-se, foda-se todos para o inferno. Não vá, Asher, por favor, não vá. Eu amo o jeito que seu cabelo brilha à luz. Eu amo o jeito como você sorri quando você não está tentando esconder ou impressionar ninguém. Adoro o seu riso. Eu amo o jeito que sua voz pode conter a tristeza, como o gosto de chuva. Eu amo o jeito que você olha Jean-Claude quando ele se move através de um quarto, quando você não acha que  ninguém está vendo, porque é exatamente como eu o vejo. Eu amo seus olhos. Eu amo a sua dor. Amo você.

      Fechei a distância entre nós, meus braços ao redor dele, apertei meu rosto contra o peito, sequei as lágrimas sobre a seda de sua camisa, e fui ainda sussurrando: – Eu te amo, eu te amo, –  quando ele levantou o meu rosto e me beijou, beijou-me, pela primeira vez realmente.

      Nós quebramos daquele beijo, e eu levei Asher para a cama com as mãos. Ele recuou, vindo como uma criança relutante.

      Jean-Claude estava ao lado da cama, seu rosto tão branco quanto ele poderia fazer isso.

     – Há uma coisa que eu devo dizer antes de começar. Eu estou controlando ma petite o ardeur, mas chegará um ponto em  que eu vou perder o controle. Eu não posso garantir o que vai acontecer quando esse controle for perdido.

      Asher e eu ficamos ao lado dele, segurando as mãos. Ele estava agarrado à minha mão com tanta força que era quase doloroso. Sua voz não revelou a tensão que eu sentia em seu corpo.

     – Se eu pensasse que era só o ardeur de Anita querer-me levar para a cama dela, então eu diria que não, porque quando o ardeur esfriasse, ela ia me por de lado, como ela fez antes. –  Ele levantou a mão para os lábios e colocou o toque mais suave  em meus dedos. – Eu acredito que Anita deseja-me na cama dela. O ardeur pode subir ou cair, é tudo a mesma coisa para mim agora.

      Jean-Claude olhou para mim.

     – Ma petite…”

(Traduzido por fãs) Livros Sobrenaturais Contigo

 CERULEAN SINS – Ou, “Pecados em Cerúleo” –  Anita a macromante levantadora de zumbis e caçadora de vampiros, uma vez fora inimiga de todos os vampiros, mas Anita, não é tão humana quanto ela fora uma vez,  agora ela é a serva-humana de Jean-Claude, o vampiro mestre da cidade, e Nimir-Ra, a primeira humana rainha leopardo, de Micah, o Metamorfo leopardo. Sem falar que era Balverk de seu ex-noivo o Richard o Ulfric dos lobisomens.  Mas sua vida amorosa não irá parar por aí. Não poderia. Ela  é consumida por desejos, a do vampiro e a fome primal do wereleopard e do lobisomem. Desejos que devem ser saciados ou pode acontecer coisas desagradáveis…

 Mas quando a mais antiga ancestral de Jean-Claude envia um de seus subordinados vicioso e poderoso para St. Louis, para testar o seu poder,  colocará o seu clã em perigo e na defensiva. E Jean-Claude precisará de seus aliados para defender o seu povo.  Mas é Anita que será testada como nunca antes, às necessidades de todas as forças escuras. Ela terá que reunir forças e sua paixão para salvar os que ela mais ama. . .

QUER SABER MAIS?ACESSE:   www.anitablake.com

Volte sempre a,

VAMPIT.

J. P. Santos, agradece.

https://vampitdivulgalivros.wordpress.com.

Contato:

 jugloxinia@uol.com.br

GOSTOU?

DEIXE SEU COMENTÁRIO.